Justiça suspende julgamento de bolsonarista acusado de matar petista em Foz

Rede de Rádios

Justiça suspende julgamento de bolsonarista acusado de matar petista em Foz

 


Decisão acata um pedido da defesa do ex-policial penal bolsonarista Jorge Guaranho. O advogado Samir Mattar Assad, que representa o acusado, alegou à Justiça que o julgamento deveria ser transferido da comarca de Foz do Iguaçu pela repercussão do caso na cidade e pelo cargo que a vítima, o guarda municipal Marcelo Arruda, ocupava na gestão municipal.

ANA PAULA BIMBATI
SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A Justiça do Paraná decidiu suspender o julgamento do bolsonarista acusado de matar um petista em Foz do Iguaçu. O júri popular estava marcado para 2 de maio.

Decisão acata um pedido da defesa do ex-policial penal bolsonarista Jorge Guaranho. O advogado Samir Mattar Assad, que representa o acusado, alegou à Justiça que o julgamento deveria ser transferido da comarca de Foz do Iguaçu pela repercussão do caso na cidade e pelo cargo que a vítima, o guarda municipal Marcelo Arruda, ocupava na gestão municipal.

O juiz entendeu que poderia haver "influência na decisão dos jurados". Além da carreira da vítima, o juiz substituto Sergio Luiz Patitucci, que assina a decisão, cita o fato da mulher da vítima, Pamela Suellen Silva, ter um cargo em Itaipu Binacional e o corpo de jurados ser composto por sete funcionários da usina e 21 funcionários municipais de Foz.

Ainda não há data para um próximo júri. O primeiro julgamento do caso foi marcado para dezembro de 2023 e depois remarcado para o dia 4 de abril deste ano.

Decisão não bate martelo sobre a transferência de comarca. Patitucci afirma que a suspensão ocorre para que seja "possível o aprofundamento dos argumentos trazidos pelo autor" para assim decidir sobre a transferência do julgamento. A decisão foi publicada ontem (26).

Acusação afirma que independentemente do local, há fatores que indicam a "possibilidade de um juízo condenatório do réu". Daniel Godoy, advogado da assistência de acusação, disse ao UOL que a decisão cabe recurso e que vão conversar com a família para tomar qualquer iniciativa.

RELEMBRE O CASO
Vítima foi morta quando comemorava 50 anos. No dia 9 de julho de 2022, Arruda celebrava o aniversário com amigos em Foz do Iguaçu em uma festa temática do PT - o guarda municipal era eleitor de Lula.

Guaranho invadiu a festa aos gritos de "Bolsonaro" e "mito", segundo relataram testemunhas. O homem ameaçou os presentes e saiu. Depois, ao reencontrar Arruda, atirou no aniversariante, que também estava armado e revidou - mas não sobreviveu.

Arruda era casado e tinha quatro filhos. Ele era diretor do Sindicato dos Servidores Municipais de Foz, tesoureiro do PT municipal e foi candidato a vice-prefeito.

Defesa descarta motivação política e vai pedir absolvição. Os representantes legais de Guaranho alegam que o policial penal agiu em legítima defesa, já que Arruda estava com a arma em punho quando o atirador invadiu a festa onde ocorreu o crime.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem